quinta-feira, 23 de abril de 2009

Matéria da prova av1

FUNDAMENTOS DA SAÚDE COLETIVA

1.1 Saúde
O estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença.

Art. 196 Constituição Federal
É direito de todos e dever do Estado, garantindo mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços, para sua promoção, proteção e recuperação.

Tambellini, 1988
É um bem coletivo que é compartido individualmente por todos os cidadãos. Comporta duas dimensões essenciais: a dimensão do indivíduo e a dimensão da coletividade. Essas dimensões devem ser respeitadas em suas contradições e preservadas enquanto formas de expressão das maneiras de viver possíveis num dado momento.

1.2 Definição de Saúde Coletiva
“É a Ciência e a arte de evitar doenças, prolongar a vida e desenvolver a saúde física e mental e a eficiência, através de esforços organizados da comunidade para o saneamento do meio ambiente, o controle de infecções na comunidade, a organização de serviços médicos e para-médicos para o diagnóstico precoce e o tratamento preventivo de doenças, e o aperfeiçoamento da máquina social, que irá assegurar a cada indivíduo, dentro da comunidade, um padrão de vida adequado à manutenção da saúde.”
(Winslow apud Rouquayrol, 1999)

A Saúde Coletiva intervém buscando evitar doenças, prolongar a vida e desenvolver a saúde física e mental e a eficiência.(Rouquayrol, 1999)

1.3 Perpectivas sobre saúde e doença

Doença
A doença pode ser definida como um “desajustamento ou uma falha nos mecanismos de adaptação do organismo ou uma ausência de reação aos estímulos cuja ação está exposta. O processo conduz a uma perturbação da estrutura ou da função de um órgão, ou de um sistema ou de todo o organismo ou de suas funções vitais.”(Jenicek & Cléroux apud Rouquayrol, 1999).

História Natural da Doença
Compreende as inter-relações do agente, do suscetível e do meio ambiente que afetam o processo global e seu desenvolvimento, desde as primeiras forças que criam o estímulo patológico no meio ambiente, ou em qualquer outro lugar, passando pela resposta do homem ao estímulo, até as alterações que levam a um defeito, invalidez, recuperação ou morte.(Leavel & Clark apud Rouquayrol, 1999)




Período Pré-Patogênico - PRIMÁRIO
Ocorre previamente à instalação do agente patogênico;
Ausência da doença;
Atenção Primária.

Período Patogênico - SECUNDÁRIO
Momento em que o agente patogênico instalou-se;
Presença da doença;
Atenção Secundária.

Período Pós-Patogênico - TERCIÁRI0
Momento após a instalação do agente patogênico;
Presença ou ausência de incapacidades ou invalidez conforme a doença que se instalou.

NIVEIS DE ATENÇÃO

Primário
Realizada no período pré- patogênico e que se compõe de dois níveis: promoção à saúde e proteção específica.
A proteção específica compreende aplicação de medidas dirigidas a determinado agravo à saúde com objetivo de interceptar suas causas antes mesmo que as mesmas atinjam o indivíduo. Citam-se como exemplos de medidas de proteção específica: imunização, quimioprofilaxia para certas doenças, proteção contra acidentes, controle de vetores, aconselhamento genético.

Secundário
Realizada no indivíduo sob ação do agente patogênico, isto é, quando o período pré-patogênico já foi ultrapassado e o processo mórbido desencadeado. As medidas preventivas nesse nível incluem: diagnóstico precoce, tratamento imediato e limitação da incapacidade.

Terciário
Corresponde às medidas adotadas após a sobrevida das conseqüências da doença, representadas pela instalação de deficiências funcionais. O objetivo consiste em alcançar a recuperação total ou parcial, através dos processos de reabilitação e de aproveitamento da capacidade funcional remanescente. A fisioterapia, a reeducação, a terapia ocupacional e a readaptação à vida normal são as medidas mais freqüentemente utilizadas nesse nível.


1.4 Saúde e Qualidade de Vida

Semântica do Termo:

Qualidade de Vida: equilíbrio nas condições sociais e ambientais.(Houaiss; Villar; Franco, 2001)

Vida: impulso ou dinamismo que determina o desenvolvimento, o progresso de alguma coisa; o conjunto dos acontecimentos mais relevantes na existência de alguém; o relato destes fatos; a biografia de uma pessoa; qualquer um dos aspectos que integram o processo de viver de alguém; conjunto das funções vitais que colocam o indivíduo em relação ao meio externo; lutar, safar-se sozinho dos obstáculos, dificuldades; a existência do espírito vista como uma transcendência da morte física.

Qualidade de Vida no Setor Saúde

Sintomas; diminuição da mortalidade; aumento da expectativa de vida.

Noção de desenvolvimento; democracia; modo; condições e estilo de vida.


1.5 DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE
Conjunto de todos os fatores que não podem ser classificados como componentes genéticos ou agressores físicos, químicos e biológicos.

a - Fatores socioeconômicos
b – Fatores sociopolíticos
c – Fatores socioculturais
d – Fatores psicossociais

1 - Fatores socioeconômicos

Segundo Renaud (apud Rouquayrol, 2003), os pobres:

- são percebidos como mais doentios e mais velhos;
- são de duas ou três vezes mais propensos a enfermidades graves.
- permanecem doentes mais amiúde.
- morrem mais jovens;
- procriam crianças de baixo peso, em maior proporção;
- sua taxa de mortalidade infantil é mais elevada.

Trata-se das sociedades de forma econômica. Pobres, ricos, classes, condições de vida, tratamentos e doenças como reagem em determinado grupo. Como a saúde funciona na sociedade pobre ou rica

2 – Fatores sociopolíticos

Condicionantes:
- instrumentação jurídico-legal;
- decisão política;
- higidez política;> abilidade política, escolha de deputados, flexibilidade, manter relação interpessoal.- participação consentida e valorização da cidadania;
- participação comunitária efetivamente exercida;
- transparência das ações e acesso à informação.

3 – Fatores socioculturais

Condicionantes:
- passividade diante do poder exercido com incompetência ou má fé;
- alienação em relação aos direitos e deveres da cidadania;
- transparência irrestrita, para profissionais da política, da responsabilidade pessoal pelo social;
- participação passiva como beneficiários do paternalismo de estado ou oligárquico;
- incapacidade de se organizar para reivindicar.



4 – Fatores psicossociais

Condicionantes:
- marginalidade;
- ausência de relações parentais estáveis;
- desconexão em relação à cultura de origem, falta de apoio no contexto social em que se vive;
- condições de trabalho extenuantes ou estressantes;
- promiscuidades;
- transtornos econômicos, sociais ou pessoais;
- falta de cuidados maternos na infância;
- carência afetiva de ordem geral;
- competição desenfreada;( entre carros e mulheres)
- agressividade vigente nos grandes centros urbanos;
- desemprego.(tras baixa auto-estima)

Trata-se do bem estar psicológico, exemplo: auto-estima.


2 – EPIDEMIOLOGIA E INDICADORES DE SAÚDE

2.1 Definição de Epidemiologia

Ciência que estuda o processo saúde-doença em coletividades humanas,(...) propondo medidas específicas de prevenção, controle, ou erradicação de doenças(...).(Rouquayrol,1999)

Vigilância Epidemiológica
Art.2° da Lei 6.259/75
“A ação de vigilância epidemiológica compreende as informações, investigações e levantamento necessários à programação e à avaliação de medidas de controle de doenças e situações de agravos à saúde”.

Lei 8.080/90
“Um conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, com finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças e agravos.”

Utilização da Epidemiologia

- Investigação etiológica
- Determinação de riscos
- Aprimoramento na descrição de quadro clínico
- Determinação de prognósticos
- Uso nos serviços de saúde: vigilância epidemiológica, estudos de situação de saúde, investigações etiológicas e avaliações dos serviços , ações e programas de saúde vigentes.

2.2 – Definições epidemia, endemia e pandemia

Epidemia: ocorrência de doença em grande número de pessoas ao mesmo tempo.

Endemia: ocorrência coletiva de uma determinada doença que, no decorrer de um largo período histórico, acometendo sistematicamente grupos humanos distribuídos em espaços delimitados e caracterizados, mantém a sua incidência constante. Permitidas as flutuações de valores, tais como as variações sazonais.

Pandemia: é considerada uma epidemia de grandes proporções, que se espalha por vários países e a mais de um continente.

Um comentário:

  1. Exemplo de EPIDEMIA: dengue
    ENDEMIA: malária
    PANDEMIA: aides

    ResponderExcluir